Semaj: um americano na Gamboa

Social, Cultural | 22/08/2017

O professor de inglês de 28 anos Warren Moore mora no Rio desde 2013. Veio para o Brasil para cursar Antropologia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Nasceu em Nova Orleans, nos Estados Unidos, e não falava português até andar pelas ruas de Copacabana. De lá para cá, ele que é formado em Diáspora Africana no Texas, deixou a Zona Sul da cidade e mudou-se dois anos depois para a Gamboa. Queria ficar mais próximo da região da Pequena África e dos pontos que tanto o interessaram após fazer a visita ao Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana. Para se manter, dá aulas de inglês e faz traduções. O português já é sua segunda língua; e o Rio, sua casa. Entrevistamos Semaj, apelido de Warren, em pontos do Circuito para falar da cultura afro-brasileira, preconceito e sobre a recente nomeação do Cais do Valongo a Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Assista a entrevista: